+55 31 3194 0400

Quando falamos em serviços em nuvem, muitas pessoas associam com soluções de armazenamento. Em parte, esse pensamento está correto, porém os serviços em nuvem não se limitam apenas a esses recursos.

Além do armazenamento em nuvem, esse tipo de solução também atende à infraestrutura de software e hardware de uma TI e oferece outras ferramentas. A seguir, você conhecerá os serviços na nuvem e os recursos que oferecem. Confira!

Conheça os principais serviços na nuvem: IaaS, PaaS e SaaS

1. Infraestrutura como um serviço (IaaS)

Infrastructure as a service (IaaS) permite que os servidores físicos de um data center sejam mudados para servidores em nuvem.

Esse tipo de solução elimina as preocupações dos profissionais de TI com a infraestrutura física de hardware e software. A contratação do modelo em nuvem não exige a compra de servidores, roteadores, despesas com equipamentos físicos e configuração de todos eles.

Com os servidores em nuvem, a empresa tem mais segurança, economia, espaço físico etc. Além disso, paga apenas pela demanda que precisar. Os valores incluem o volume de dados trafegados, a utilização do espaço de armazenamento e outras funções. O serviço está dividido em três subcategorias:

  1. Nuvem pública: a infraestrutura dos servidores é compartilhada e gerenciada pelo provedor de serviços em nuvem;
  2. Nuvem privada: a infraestrutura em nuvem é particular e usada apenas pela empresa.
  3. Nuvem híbrida: é uma combinação dos dois modelos anteriores. Usa as características de ambas de acordo com a necessidade da empresa.

Quando usar: quando a demanda de infraestrutura é inconstante. Como é o caso de lojas virtuais ou sistemas que costumam ter picos de acessos sazonais. Nesses casos, a empresa pagará pelo que foi utilizado.

Quando não usar: o modelo exige atenção com a legislação, pois algumas empresas não podem fazer o armazenamento de dados fora.

Plataforma como um serviço (PaaS)

Platform as a service (PaaS) é uma plataforma onde é possível criar, hospedar e gerir um software próprio. Costuma ser mais utilizado no desenvolvimento de aplicações, tornando-as personalizadas e fáceis de configurar.

Quando usar: em trabalhos em equipe, integração, triagem de serviços e integração de banco de dados. É recomendado para implementação, quando é necessário ter um ambiente complexo para a aplicação e diversos desenvolvedores trabalhando de forma simultânea.

Quando não utilizá-lo: se a linguagem proprietária pode dificultar a mudança para um outro fornecedor no futuro, se a empresa utiliza linguagens proprietárias ou abordagens que influenciam no processo de desenvolvimento. Também não é recomendado para personalização avançada, quando o aplicativo exige hardwares ou softwares específicos.

Software como um serviço (SaaS)

Software as a service (SaaS) são sistemas comercializados sem licença. O cliente é tarifado de acordo com a funcionalidades contratadas e o número de usuários que utilizarão. É um modelo on-demand.

A grande vantagem desse modelo é que não é necessário comprar uma licença e fazer atualizações no software, que é atualizado de acordo com a necessidade identificada pelo fornecedor. Ou seja, as equipes não precisam interromper suas atividades ou deixar de usar o sistema enquanto é atualizado.

Quando usar: é recomendado para empresas que precisam de aplicações com acesso remoto ou móvel.

Quando não utilizá-lo: não é recomendado para empresas que não podem hospedar os dados fora ou que devem priorizar requisitos de segurança e SLA críticos.

Os serviços na nuvem oferecem grande potencial para as empresas que estão em desenvolvimento e querem aumentar a escalabilidade do negócio. O investimento  menor resulta em uma redução nos custos com infraestrutura. Os recursos podem ser realocados para soluções ainda mais inovadoras, que impulsionem a transformação digital nos negócios. Agora que você já sabe quais são os serviços na nuvem, avalie qual a melhor solução para aplicar em sua empresa.

Continue acompanhando o nosso blog e fique por dentro de todas as tendências de tecnologia e inovação.

Share This