+55 31 3194 0400

Na busca por formas inovadoras e mais eficientes de gerenciar times e conduzir projetos, especialmente na área de tecnologia, gestores e profissionais já desenvolveram várias boas ideias. Metodologias ágeis, microsserviços, squads e times cross-funcionais são algumas delas.

Os squads parecem ser a bola da vez e muitas empresas e startups de sucesso, como Spotify e Nubank aderiram a este modelo e vêm mostrando que ele é eficaz. Ficou curioso? Continue lendo e entenda mais sobre os squads e times cross-funcionais!

O que são squads?

Em um modelo de divisão de trabalho tradicional, as equipes são divididas por área de formação e atuação. Por exemplo, existe o time de desenvolvimento, de marketing, de vendas e assim por diante. Já nos squads, a formação não importa, mas sim o projeto em que as pessoas trabalham.

Os squads são um time geralmente com 3 a 10 pessoas que trabalham em um determinado projeto e criam soluções em conjunto. Por exemplo, no Spotify, existem squads responsáveis pelo app para Android, pelo app para iOS, pelo sistema de pagamento, entre outros.

Não existe uma liderança definida e as pessoas têm autonomia para definir prioridades, se organizarem e escolherem métodos de trabalho que mais se adequam ao objetivo que precisam atingir. Os squads também são times cross-funcionais.

O que são times cross-funcionais?

São times onde atuam profissionais de diversas áreas de formação. A ideia é acabar com a divisão comum onde cada área faz uma parte do trabalho de forma independente e adotar um modelo onde todos os profissionais trabalham realmente em equipe para finalizar um projeto.

Um time cross-funcional conta com profissionais com expertises variadas de tal maneira que, juntos, eles são capazes de cobrir todas as atividades necessárias para ofertar um produto ou serviço. Não existem papeis tradicionais de divisão de trabalho e todos precisam ter uma visão global do projeto e da empresa.

Quais são as vantagens e desvantagens do modelo de squads cross-funcionais?

As maiores vantagens de trabalhar com squads são a agilidade com que as decisões podem ser tomadas e a verdadeira integração entre as áreas de conhecimento. Como todos trabalham juntos em time reduzidos, é mais fácil garantir que cada membro saiba os detalhes do projeto e consiga contribuir mais e mais rápido.

Em vez de ter processos parados esperando as burocracias de cada setor, os times cross-funcionais tomam todas as decisões juntos e com autonomia. A comunicação é um fator-chave para garantir a integração total entre os membros. Contando que a comunicação flua, as diferentes expertises podem ser verdadeiramente integradas.

Ao mesmo tempo, a autonomia dos times cross-funcionais pode criar desafios já que essa cultura de trabalhar sem uma liderança definida ainda é nova para muita gente. Além disso, pode ser necessária uma mudança na estrutura e no pensamento da empresa e dos funcionários para o desenvolvimento de um mindset ágil.

Para que os squads cross-funcionais tenham o efeito esperado, é preciso garantir que todos os membros estejam alinhados com os objetivos do projeto e da empresa e estejam prontos para assumir responsabilidades.

Outro ponto de atenção diz respeito à comunicação entre squads. Embora cada time trabalhe em um projeto, é natural que eles tenham que se integrar para entregar o todo, isto é, o objetivo central da empresa. Por isso, a comunicação entre os squads pode ser um problema se não for trabalhada corretamente.

Quais empresas adotam os squads e por quê?

Algumas grandes empresas já abandonaram as metodologias comuns e embarcaram nos métodos ágeis, adotando o modelo de squads em suas equipes. Conheça três delas!

Spotify

Como já foi mencionado, o Spotify é provavelmente o maior exemplo de aplicação eficiente do squad. As equipes são divididas por funcionalidade do software e o ambiente de trabalho na empresa inspira colaboração.

As paredes são quadros onde é possível escrever e desenhar e os funcionários participam quinzenalmente de um dia dedicado ao aprendizado e compartilhamento de conhecimento. Ou seja, as metodologias ágeis e o modelo de squad funcionaram para transformar a empresa em um ambiente extremamente colaborativo e inovador.

Nubank

O Nubank é uma das startups mais bem-sucedidas do Brasil e também utiliza os squads cross-funcionais para organizar suas equipes, aumentar o engajamento dos times para resolver problemas.

ING

O banco holandês ING decidiu mudar para as metodologias ágeis em 2015 e adotou os squads como método de divisão do trabalho. Como resultado, houve uma redução do Time to Market, isto é, tempo de desenvolvimento necessário para que o produto seja colocado no mercado, além de aumento no engajamento dos funcionários e melhoria na produtividade.

Ou seja, os squads são times compostos por profissionais de diferentes áreas e que se unem para chegarem a um objetivo comum — em vez de cada um se preocupar apenas com sua parte. Esses times cross-funcionais permitem que as decisões sejam tomadas coletivamente e de forma rápida, tornando a empresa mais colaborativa, eficiente e inovadora.

Quer saber como elaborar uma integração de dados eficiente e bem estruturada? Acesse o Guia 1.

Share This