BLOG
RECEBA CONTEÚDOS GERADOS POR ESPECIALISTAS ASSINE AGORA

Segurança de APIs: saiba quais são os aspectos fundamentais

Você provavelmente já sabe que o uso de APIs se tornou popular em empresas de vários portes graças aos benefícios que elas oferecem, especialmente no que diz respeito à integração de dados. No entanto, um outro aspecto não pode ser deixado de lado: a segurança de dados também é um item fundamental para o bom funcionamento das APIs.

Apesar de já haver bastante desenvolvimento acerca do tema segurança de APIs, ainda são constantes os ataques e ameaças às barreiras de proteção. Por isso, quem desenvolve, usa e disponibiliza APIs precisa ficar atento à segurança de dados.

As ameaças de segurança de dados relacionadas às APIs

As APIs são um dos alvos preferidos dos hackers justamente pela possibilidade de obter um grande volume de dados, muitas vezes sensíveis, de uma enorme quantidade de usuários. Algumas das principais ameaças de segurança de dados em relação às APIs são:

  • ataques de injeção;
  • quebra da autenticação;
  • acesso a dados sensíveis;
  • falhas de configurações de segurança;
  • ataques do tipo XML External Entity, onde as informações contidas em XMLs antigos podem ser acessadas indevidamente;
  • exploração de falhas conhecidas em componentes.

As ameaças e a gravidade das consequências ainda dependem de como a API foi criada e para qual finalidade. Por exemplo, sua utilização pode ser apenas em ambientes internos, corporativos, ou ela pode ser desenvolvida para usuários externos, entre outras possibilidades. Depois de avaliar os potenciais riscos, é hora de tomar medidas para segurança de APIs de acordo com suas características.

Medidas para implementar a segurança de APIs

Veja as medidas que você pode e deve tomar para garantir a segurança de APIs no seu negócio!

Autenticação e Autorização

Esse é o bê-á-bá de qualquer integração de dados com APIs. A pessoa que está buscando acesso é realmente quem diz ser? A identificação usando apenas a senha já não é suficiente em muitos casos, sendo recomendada a autenticação de dois fatores em muitas aplicações.

Após autenticado, cada usuário precisa receber autorização para acessar apenas os dados e recursos que correspondem às suas permissões.

Privacidade e criptografia

Já que a quebra de segurança em APIs pode levar à exposição de dados sensíveis de usuários, proteger a privacidade é uma das prioridades da segurança de APIs. Protocolos SSL/TLS e outras soluções de criptografia são altamente recomendados.

Controle de dados no back end

Muitos desenvolvedores quando pensam em segurança de dados nas APIs pensam no front end, mas se esquecem de criar mecanismos para barrar as ameaças também no back end. Se um ataque conseguir quebrar as barreiras de acesso, proteger o tráfego de saída pode funcionar como uma barreira adicional.

Monitoramento da disponibilidade

O monitoramento da disponibilidade e do desempenho da API pode ajudar a identificar comportamentos maliciosos, que podem ser indicativos de ataques do tipo negação de serviço. A limitação do uso de serviços por meio de throttling e o monitoramento do tráfego ajudarão a identificar e pausar possíveis ameaças.

Testes e auditorias

Além de tomar todas as precauções, é preciso reservar tempo e orçamento para realizar auditorias e testes nas APIs. Certifique-se de manter logs sobre as atividades realizadas com as APIs. Além disso, realize testes na sua infraestrutura e nas aplicações para garantir que as medidas são, de fato, eficientes e estão protegendo seus dados.

Uso de padrões de segurança

Por fim, é importante lembrar que, em segurança de dados, quase sempre é vantajoso usar soluções que já foram testadas e aprovadas, como é o caso dos padrões de segurança de APIs amplamente utilizados por grandes empresas.

Padrões e certificações de segurança de API

Conheça três dos mais populares padrões e certificações de segurança de API que você também pode adotar!

OAuth

O protocolo OAuth permite que aplicações de terceiros tenham acesso limitado às informações do usuário armazenadas por um serviço, como o Facebook. Quando você usa sua conta do Facebook para fazer login em outra página, é este protocolo que entra em ação. Fazem parte do OAuth:

  1. Proprietário do recurso: o usuário.
  2. Cliente: a aplicação que deseja acesso.
  3. Servidor de recurso: servidor que hospeda os dados a serem acessados.
  4. Servidor de autenticação: gera tokens de acesso a partir da verificação da identidade do usuário.

FIPS 140-2

O Federal Information Processing Standard 140-2 é uma norma do governo dos Estados Unidos que especifica critérios de segurança para produtos de tecnologia. Se um produto é compatível com o FIPS 140-2, significa que ele cumpre métodos de segurança, criptografia, autorização de usuários, entre outros.

Common Criteria

Por fim, o Common Criteria é um padrão internacional de certificação em termos de segurança de dados. Por meio dele, os clientes podem especificar seus requisitos de funcionalidade e segurança, enquanto os desenvolvedores implementam e testam os produtos com base nesses requisitos.

Ao adotar esses padrões, suas APIs e seus produtos estarão alinhados com as maiores tendências do mercado. Como você viu, a segurança de dados não pode ser descuidada quando se trata de APIs.

Ao criar, implementar e utilizar aplicações na sua empresa, leve a segurança de APIs a sério e para que o negócio continue aproveitando todos os benefícios delas!

Para saber mais sobre segurança em integração de dados, baixe o GUIA 3 – ASSESSMENT DE INTEGRAÇÃO DE DADOS – FALANDO DE GOVERNANÇA E SEGURANÇA 

Multron
RECEBA CONTEÚDOS GERADOS POR ESPECIALISTAS