BLOG
RECEBA CONTEÚDOS GERADOS POR ESPECIALISTAS ASSINE AGORA

    SaFe Agile: Arquitetura Corporativa e Método Ágil

    Está sem tempo para ler este artigo? Experimente ouvir a narração, basta apertar o play!

    O SaFe Agile é uma abordagem ágil que muitas empresas estão usando para alavancar o seu processo interno de Transformação Digital. Entretanto, muitos CIOs ainda têm dificuldade para incorporar a cultura ágil em sua organização. Umas das razões para este problema é a falta de sinergia entre arquitetos e equipes ágeis. Muitas vezes, eles trabalham isoladamente, mas a verdade é que se esses times atuassem de maneira integrada, seriam muito mais bem-sucedidos na entrega dos projetos.

    Neste contexto, o SaFe Agile pode ser uma solução viável, pois, promove o alinhamento, a colaboração e a entrega entre os times.

    Neste artigo você verá como a arquitetura corporativa deve trabalhar com o método ágil de forma integrada.

    O que é SaFe Agile ? 

    Antes de explicarmos o conceito de SaFe Agile, vamos falar resumidamente sobre o papel da Metodologia Ágil e da Arquitetura Corporativa.

    O Método Ágil possibilita uma entrega mais eficiente como forma de acompanhar as transformações corporativas, que a propósito, acontecem também cada vez mais rápido.

    O SaFe Agile (Scaled Agile Framework) é um método de desenvolvimento de software que apresenta um conjunto de padrões de organização e fluxo contínuo de trabalho para implementar práticas ágeis em escala empresarial.

    Em outras palavras, o SaFe Agile nada mais é do que uma estrutura baseada no conhecimento para fornecer soluções que agreguem valor aos negócios, ao mesmo tempo em que incorpora princípios e práticas rápidas e enxutas em uma organização.

    Essa estrutura integra outros modelos de arquitetura, não só no intuito de introduzir uma filosofia ágil nas empresas, mas também a fim de ajudá-la a obter resultados, sem conflitar com a estrutura já existente.

    SaFe Agile: integrando a visão de Arquitetura no Método Ágil  

    O SaFe Agile reconhece a necessidade de se ter arquitetos ágeis. Afinal, conforme dissemos, o alinhamento e integração entre o time de arquitetura e as equipes ágeis sem dúvida contribuem e muito para a eficiência na entrega de projetos.

    Desse modo, a ideia de uma arquitetura ágil envolve práticas de desenvolvimento ágil por meio de colaboração, design emergente, arquitetura intencional e simplicidade de design.

    Assim como as práticas de desenvolvimento ágil, a arquitetura ágil também permite o design para testes, capacidade de implementação e capacidade de liberação.

    Os arquitetos ágeis podem ser arquitetos de negócios, arquitetos corporativos, arquitetos de soluções ou arquitetos de sistemas.

    A função dos arquitetos corporativos no SaFe Agile é fornecer governança de arquitetura, direção técnica, colaboração iterativa e uma estratégia de implantação de solução completa em todos os fluxos de valor.

    Quanto aos arquitetos de soluções ou de sistemas, eles começam a estabelecer a pista de arquitetura para os fluxos de valores SAFe criando blueprints de arquitetura com uma visualização de sistema, com base na direção fornecida pelo arquiteto corporativo. Parte disso envolve a criação de um estado futuro para a arquitetura e o desenvolvimento ideal de um plano de transição, com incrementos para melhorar a organização de seu estado atual para o estado futuro.

    A seguir, vejamos algumas boas práticas de SaFe Agile que os arquitetos corporativos e de negócios podem aplicar para entregar projetos mais refinados.

    Priorizar iniciativas estratégicas 

    Primeiro, os arquitetos corporativos e de negócios devem se engajar antes do início do pipeline de entrega contínua do Scrum e Kanban usado no SAFe. Assim, eles devem vincular todos os estágios dos fluxos de valor do SAFe aos seus recursos capacitadores, conceitos de informação e seus vários departamentos e unidades de negócios para esclarecer como o negócio realmente funciona.

    Ou seja, os arquitetos têm uma visão estratégica do projeto, e por isso, são capazes de identificar os principais recursos de negócios.

    Nesse caso, o SaFe Agile ajuda as equipes a definir uma base nos recursos de prioridade mais alta e a trabalhar para garantir o alinhamento à estratégia de negócio.

    Decompor fluxo de valor de alto nível e recursos de negócios 

    Os arquitetos também podem fazer a decomposição dos estágios que definem um fluxo de valor caso seja necessário. Além disso, podem dividir os recursos de negócios em subcapacidades, com vários níveis de profundidade.

    Essa decomposição permite que os times elaborem épicos muito mais precisos e definam histórias de usuários em um ritmo muito mais rápido.

    Além do mais, com o SaFe Agile, os arquitetos também podem alinhar fluxos de valor para impactar estratégias e objetivos, participando ou acionando diversos stakeholders, como por exemplo, personas e clientes de vários segmentos de mercado. Também é possível mapear processos de negócios, entregando propostas de valor muitas vezes feitas de vários produtos e serviços.

    Definir épicos e histórias de usuários juntamente com os times 

    Tanto os arquitetos corporativos quanto os de negócios também precisam traduzir os temas estratégicos de negócios de sua organização em épicos mais detalhados.

    Então, colocando mais recursos na arquitetura na fase inicial do processo SAFe Agile, aumenta as chances do programa fornecer sistemas e software mais úteis para os usuários de negócios.

    Quando uma história épica ou de usuário é aprovada para passar da lista de pendências para revisão e análise de negócios, o proprietário do épico tem a responsabilidade de criar um business case leve, de acordo com o SAFe.

    Isso envolve examinar o tamanho, o impacto e os benefícios exatos do épico para a organização.

    Ao usar o modelo detalhado dos arquitetos corporativos e de negócios, os proprietários de épicos ou histórias de usuários têm uma compreensão muito melhor do escopo comercial de seus épicos e dos benefícios que eles proporcionarão à organização. Isso acelera a capacidade de análise de negócios para agilizar o épico ou a história do usuário para a próxima fase.

    Nesse sentido, cabe ressaltar que, dentro dos níveis do fluxo de valor e do programa SAFe Agile, os proprietários dos épicos e os analistas de negócios não são os únicos beneficiados pela metodologia. Ela também pode auxiliar os gerentes de soluções e gerentes de produtos, entre outros

    Auxilia os times durante a execução das sprints 

    Do mesmo modo, a arquitetura ágil ajuda a mapear recursos, a fim de garantir que o uso da melhor solução durante a execução das sprints.

    Ou seja, dá suporte aos times, criando conceitos de informações, permitindo processos, impactando estratégias, para que eles atinjam seus objetivos.

    Eliminar de subprojetos ou sprints duplicados 

    Os arquitetos podem ainda finalmente detectar, sinalizar e eliminar subprojetos ou sprints duplicados que podem aparecer em diferentes Agile Release Trains. Alguns programas SAFe Agile podem ter mais de 10 Agile Release Trains independentes rodando em paralelo, cada um deles com tipicamente entre 50 e 125 pessoas, entregando seus marcos todos ao mesmo tempo.

    É muito possível que alguns dos subprojetos, Scrums ou Kanbans em um Agile Release Train  sejam idênticos a outras partes de um Agile Release Train totalmente diferente. Os arquitetos geralmente têm uma visão abrandgente e a mentalidade apropriada para encontrar essas duplicidades, o que aumenta ainda mais a eficiência dos programas SaFe Agile.

    Em conclusão, o Safe Agile é uma solução eficiente que pode ajudar as empresas a escalar processos para atingir seus resultados de negócio em muito menos tempo.

    Mas, para isso é preciso romper com as barreiras culturais e apostar no alinhamento estratégico como forma de acelerar a transformação digital.

    Multron
    RECEBA CONTEÚDOS GERADOS POR ESPECIALISTAS