BLOG
RECEBA CONTEÚDOS GERADOS POR ESPECIALISTAS ASSINE AGORA

Microservices ou microsserviços, o que são?

Você já ouviu falar dos microservices?  

Com a passar do tempo, o termo ficou ainda mais popular no universo do desenvolvimento web. Para muitos profissionais da área de TI, os microservices são considerados inclusive, a melhor metodologia para o desenvolvimento de aplicativos corporativos. Neste artigo, você vai entender o que realmente são microservices. Continue a leitura.

O que são microservices? 

Microservices diz respeito a um estilo específico de arquitetura como suites de serviços com deploy independente. A arquitetura de microservices não possui um conceito estabelecido, mas trata-se de uma abordagem que desenvolve um aplicativo único com diversos serviços e cada um deles executa um tipo de   processo que se comunica por meio de uma API ou SDK, funcionando através de mecanismos de deploy independentes e automatizados.

Diferentemente da metodologia tradicional monolítica, em que toda a aplicação é criada como um único bloco apenas, os microservices são componentes separados que trabalham em conjunto para realizar as mesmas tarefas. A arquitetura de microservices é indispensável para a otimização do desenvolvimento de aplicações para um modelo nativo em nuvem, pois possibilita o compartilhamento de processos semelhantes entre várias aplicações.

Quer saber quais as vantagens da utilização de uma infraestrutura baseada em microservices? Iremos falar delas adiante, mas antes, vamos explicar um pouco sobre a abordagem monolítica.

Leia também Microsserviços: a nova tendência 

Como funciona a arquitetura monolítica  

A arquitetura monolítica é uma das estruturas de aplicações mais simples e por muitos anos dominou o mundo do desenvolvimento de software. Mas, o que significa quando dizemos que um software é monolítico?

Ocorre que, um software monolítico é o oposto de um software baseado em microservices. O grande conceito por trás do processo monolítico é reunir todas as funcionalidades de um sistema em um só núcleo.

Podemos citar como exemplo, uma loja virtual feita em PHP e que implementa diversas funcionalidades, tais como cadastro de clientes, gerência de estoque, pedidos, catálogo de produtos, entre outras. Na estrutura monolítica, essa loja possui apenas um único software que engloba todas as funcionalidades citadas.

Até hoje o desenvolvimento de aplicações monolíticas tomam conta do cenário de desenvolvimento de software. No entanto, empresas que possuem grandes aplicações, como é o caso da Netflix, já estão deixando de ter toda sua aplicação em um único arquivo e passando a lançar mão da arquitetura de diversos microservices distribuídos.

Aplicativos monolíticos até podem funcionar bem, mas tendem a ser substituídos pelos microservices, principalmente à medida que mais aplicativos vem tendo seus deploys na nuvem.

Ao longo do tempo muitas vezes é difícil manter uma boa estrutura modular e isso dificulta manter as alterações que devem afetar apenas um módulo de dentro do módulo. Escalar requer o redimensionamento de todo o aplicativo, ao invés de partes que exigem mais recursos.

https://insights-images.thoughtworks.com/microservicos_nutshell_126263a3524c13ca2476c08a14af4943.jpg

Microservices: vantagens

Incialmente, vale destacar a agilidade obtida com os microservices. Por meio desse benefício é possível entregar um software com qualidade. Contudo, não basta somente usá-los. É preciso ainda fazer o gerenciamento e também o processamento dos dados que são gerados e modificados por eles.

Ao contrário das aplicações monolíticas, os mivroservices oferecem mais facilidade na criação, teste e atualização. Assim, permitem que as empresas respondam de maneira mais rápida as novas demandas.

Como cada serviço funciona de forma independente, uma simples modificação realizada não prejudica o sistema que utiliza o recurso.

Na arquitetura de microservices, cada parte do sistema é separado em partes e isso traz mais um ganho que é a facilidade de escalabilidade do software. Afinal, é mais fácil escalar um projeto que está bem dividido e organizado do que ter que trabalhar com uma estrutura monolítica.

Além disso, há outra vantagem que é o tempo de resposta ao cliente durante o desenvolvimento da solução. Os microservices permitem que a equipe de desenvolvimento trabalhe de maneira simultânea nos produtos e envie informações relevantes ao cliente imediatamente.

Como transformar a integração de aplicações com microservices 

Para executar uma arquitetura de microservices de maneira funcional, é necessário que os serviços solicitem constantemente dados entre si por meio de um sistema de mensageria. A criação de uma camada de service mesh em uma aplicação torna a comunicação entre os serviços mais simples. Entretanto, pode ser que a arquitetura de microserviçes precise ser integrada a aplicações legadas e a outras fontes de dados.

É necessário escolher as ferramentas corretas para essa integração. Existem muitos frameworks e linguagens que podem ajudar na implementação de microservices. Antes da escolha é preciso levar em conta a realidade do cenário da sua empresa.

Deseja transformar aplicações monolíticas em microservices, o Grupo Mut possui soluções que podem te ajudar. Gerenciamos e orquestramos esses microservices para garantir resultados reais. Oferecemos ainda suporte a implantação e desenvolvimento, facilitando a integração. Fale conosco.

Quer mais informações sobre microsservices, baixe agora um Ebook gratuito e confira nossas dicas sobre integração de dados em microservices.

Leia também Como gerenciar e integrar dados em microsserviços?

Multron
RECEBA CONTEÚDOS GERADOS POR ESPECIALISTAS